Padre Bamonte: “Dom Amorth nos ensinou que o Exorcismo é um ato de caridade”

Em 2012, ele herdou de Dom Gabriele Amorth a exigente tarefa de liderar a Associação Internacional dos Exorcistas (AIE). E tem feito isso, de forma discreta, mas firme, há alguns anos. É o Padre Francesco Bamonte, sacerdote dos Servos do Imaculado Coração de Maria, sacerdote desde 1990 e desde os primeiros anos de ministério empenhado em ajudar as vítimas do ocultismo através da escuta, aconselhamento e, a partir de 2004, como exorcista.

Coletamos online para Família Cristã (e traduzimos para o Portal) uma memória do Padre Bamonte sobre Dom Amorth.

Padre Francesco, quando e em que circunstâncias conheceu Dom Gabriele?

Padre Bamonte e Dom Amorth

“Conheci Don Gabriele pela primeira vez através de seu famoso livro: ” Um exorcista conta-nos “; em um segundo momento, até conhecê-lo pessoalmente. Tinha sido ordenado sacerdote há apenas um mês (8 de setembro de 1990) e meu Superior Geral – que há muito tempo havia percebido em mim uma particular sensibilidade para a pastoral da libertação das pessoas sujeitas à ação extraordinária do demônio, bem como para a prevenção de danos pelo ocultismo no povo de Deus – apresentou-me a Dom Gabriele em outubro de 1990. Ele ficou feliz em descobrir essa atitude em mim e me deu alguns conselhos oportunos. Tendo sido ordenado há apenas um mês, disse-me que nenhum bispo jamais daria a um novo sacerdote a licença para realizar o ministério do exorcismo; mas, se eu tivesse mostrado que estava levando uma vida sacerdotal boa e equilibrada, a Providência Divina certamente induziria algum Bispo, com o consentimento prévio dos meus superiores, para confiar-me este ministério. O que na verdade aconteceu anos depois, em 2004 ».

Foi ele, portanto, quem o iniciou no ministério de exorcista ou ainda teve algum papel na sua formação neste delicado ministério?

“Depois do primeiro encontro em outubro de 1990, depois encontrei várias vezes com Dom Gabriele que, por meio de nossas entrevistas pessoais, aumentou cada vez mais sua estima e confiança em mim. Durante um ano e meio também o ajudei no ministério que exercia em Roma, até que recebi do cardeal Camillo Ruini, em 3 de fevereiro de 2004, a licença para exercer exorcismos na diocese de Roma. Portanto, comecei a exercer o ministério não mais como exorcista auxiliar, mas como exorcista. A partir de 1997 tornei-me auxiliar do exorcista beneditino Dom Gennaro Lo Schiavo, na diocese da Abadia da Santíssima Trindade de Cava dei Tirreni, na província de Salerno. Ele, sendo um amigo de longa data do meu instituto religioso e tendo notado minhas aptidões para este ministério, de bom grado, com o consentimento dos meus superiores e do Ordinário da diocese, aceitou-me como seu auxiliar. Ainda em 1997, como exorcista auxiliar, ao mesmo tempo também ingressei na AIE, da qual fui posteriormente eleito presidente em julho de 2012. Pode-se dizer que, no plano teórico, moral e espiritual, aquele que me iniciou neste ministério foi certamente Dom Gabriele; mas no nível da experiência prática foi, desde o início, Dom Gennaro. Porém, mais tarde – como mencionei -, transferido da nossa comunidade de Cava dei Tirreni para Roma, fui também exorcista auxiliar de Dom Gabriele por um ano e meio.

Como seu sucessor à presidência da AIE, qual acha que tem sido seu papel neste ministério e, de maneira mais geral, na Igreja?

“Dom Gabriele Amorth foi sem dúvida um instrumento que Deus utilizou para trazer à tona, na pastoral ordinária da Igreja, tudo o que diz respeito à prática exorcística. Dom Amorth viveu seu “aprendizado” com o servo de Deus Cândido da Imaculada(Padre Candido Amantini, nosso Patrono no Portal), que exerceu seu ministério no Santuário da Escada Santa, em Roma. Com ele aprendeu importantes noções teológico-vivenciais, bem como a necessidade de fazer a Igreja redescobrir a presença de um sofrimento oculto, muitas vezes incompreendido, precisamente porque não é conhecido: o sofrimento dos fiéis perturbados pela ação extraordinária do demônio. Como assinalou o Cardeal Angelo De Donatis, no prefácio do volume da AIE “Diretrizes para o ministério de exorcismo”, Dom Amorth e Padre Cândido contribuíram para a construção de uma visão teológica correta sobre o poder que Satanás pode exercer no mundo, preparando o caminho para o reconhecimento jurídico da AIE – da qual é cofundador – e para a memorável publicação do volume citado “Diretrizes para o ministério do exorcismo” , em setembro de 2019. Seu papel principal, em relação ao ministério do exorcista, surge da grande importância que tem dado à formação experiencial dos exorcistas, através de uma visão pastoral em que a teologia e a práxis convergem. Na verdade, ele costumava comparar a celebração do exorcista a uma operação cirúrgica, para o qual não só o conhecimento teórico é necessário, mas também o conhecimento experiencial. Em Padre Gabriele, o conhecimento experiencial foi antes de tudo uma experiência de Deus: o próprio sacramental do exorcismo é, de fato, uma experiência de Deus, que pode conduzir a uma verdadeira experiência mística”.

O que o liga à sua figura hoje?

“Em primeiro lugar, lembro-me do espírito de sacrifício com que lutou constantemente para restaurar a importância e a necessidade do exorcismo nas dioceses. Em segundo lugar, o que já afirmei em entrevista ao Osservatore Romano em 2014, a respeito do exorcismo como uma obra de misericórdia espiritual: O próprio Padre Amorth, em 2011, começou a falar da correlação entre exorcismo e caridade, que foi retomada nos últimos anos de sua vida. Uma visão do exorcismo que poderíamos enquadrar em uma chave mística: o exorcismo em função da caridade. Bem, nesse aspecto me sinto fortemente ligado a ele. E é precisamente desta correlação entre exorcismo e caridade, na esteira de Dom Gabriele, que sinto o desejo de ajudar os irmãos atormentados pelo Maligno, a ponto de aceitar com amor a liderança de uma presidência tão delicada, como a da AIE.

Há alguma anedota que queira recordar sobre ele?

“Muitas histórias da vida de Dom Amorth me impressionaram, quase todas vividas em um clima de alegria e ironia, ideal para a luta contra o demônio, como ensinou São Filipe Neri. Mas houve, em particular, um episódio que me marcou profundamente: a descrição do caso de possessão de Angelo Battisti. Dos escritos de Dom Gabriele e das suas próprias narrações (rádio, entrevistas, etc.), o seu espanto surge perante uma das situações mais difíceis que encontrou, enquanto era discípulo do Padre Candido da Imaculada. Reiterou constantemente que, não tivesse sido seu mestre – também em virtude dos extraordinários carismas místicos que recebeu de Deus – para lhe dar a certeza moral da possessão de Batistti, ele nunca teria acreditado que aquele homem necessitava de exorcismos. “O sinal do exorcista” , no qual questiona – e nos convida a questionar-nos – sobre como o homem, mesmo em estado de possessão autêntica, pode ainda ser livre para aderir a Deus e à sua oferta de salvação.

Por fim, permitam-me reiterar um critério geral que pode ser deduzido da vida de Dom Amorth: ele sempre ensinou que a libertação definitiva e estável da ação extraordinária do demônio é fruto e consequência da conformação do homem a Cristo, através da assunção generosa da dupla «intencionalidade» do amor: para com Deus e para com o próximo”.

Em tradução livre do italiano, entrevista de Stefano Stimamiglio para o site Famiglia Cristiana.

Postagens relacionadas

Destaques
Equipe de redação

O mal do pecado

O homem foi feito “por Deus e para Deus” na condição de ser eterno, e assim que ele foi desobediente à única coisa que não

Leia mais »
Destaques
Equipe de redação

Um exorcismo em 1907

Não muito tempo atrás, o seguinte caso autêntico de possessão foi comunicado ao editor de Roma pelo Rev. Mons. Delalle, Bispo Titular de Natal, África.

Leia mais »
plugins premium WordPress